Você Respira Criatividade?

By 2 Janeiro, 2014criatividade

A criatividade é uma das qualidades mais subestimadas na história. O culto à genialidade dos dias de hoje nos força a “pensar fora da caixa” para obter “ideias de um milhão” e nos tornarmos os “novos Steve Jobs”. Essa pode ser uma pressão e tanto, principalmente quando trabalhamos duro para nos destacarmos num mercado (seja qual for o seu) cada vez mais competitivo. Mas, fique calmo.

Platão talvez possa lhe tirar um pouco de peso dos ombros. Platão, em seu livro Íon, defende que os poetas não criam seus poemas por sua bagagem e aprendizado, mas sim porque estão possuídos por suas musas (1). Sério? Quer dizer que nós precisamos de algo externo para nos inspirar? Segundo ele, sim. Ele defendia que tudo não passava de inspiração “divina”.

 

[blockquote]“Leve é coisa do poeta, alada e sagrada; e inicialmente não consegue compor, antes de se tornar inspirado, de ficar fora de si o pensamento não habita mais nele; até que tenha essa aquisição, todo homem é incapaz de compor e de proferir oráculos.”[/blockquote]

 
Mas não é bem assim que funciona. Infelizmente, teremos que colocar um pouquinho de peso nas suas costas. Afinal, se você chegou até aqui é porque quer saber mais sobre como funciona esse negócio de criar e inovar, certo?
 
A criatividade é um processo que pode ser desenvolvido conscientemente. A partir do momento que começamos a estudá-la, precisamos observar o mundo e as coisas que nos rodeiam e formular métodos que se enquadrem melhor à nossa personalidade e cotidiano, para desenvolver mecanismos e hábitos.
 

Denilson Shikako, fundador da Fábrica de Criatividade, explica que ao contrário do que muitos pensam, criar não é “inventar uma coisa nova”, mas sim melhorar um processo, uma relação, um produto, mesmo que sejam coisas pequenas. Segundo ele, nós não estamos acostumados a pensar de forma consciente nesse processo de melhoria.

Isso se deve a um processo natural adquirido pelo cérebro para economizar energia. Quando aprendemos a andar, por exemplo, o corpo e o cérebro gravam tudo e transforma aos poucos num processo involuntário. Você aprende a andar e pára de pensar que está andando, apenas anda.

 

Agora, pare por um segundo, preste atenção na sua respiração. Viu? Agora você está sentindo aquela sensação de ter de controlar voluntariamente sua respiração. O processo criativo deve ser como esse instante, onde você pega as coisas que você faz naturalmente e as observa conscientemente, buscando ao redor e na sua mente referências que ajudem a criar — reinventar, remodelar, recriar — aquilo que você deseja melhorar.

 
Abaixo, um vídeo que expressa bem como funciona o processo criativo. Assista, releia o texto e reflita. Temos certeza que você vai criar uma nova visão sobre a coisa toda. Ficaremos felizes que você compartilhe conosco, escreva sua opinião nos comentários!
 

 
Vá fundo:
Livro “Um Toque na Cuca”, de Roger Von Oech. Clique aqui.
 
Referências:
(1) Platão- Ion , 534c. Clique aqui.
 

Comentários

comentários

Join the discussion One Comment